domingo, 6 de fevereiro de 2011

Caso número 2: Amor.

Amor é um dos melhores sentimentos do mundo, agora minha pergunta é a seguinte: POR QUÊ?!

Meu conceito sobre amor é simples, o extremo de afeto que se pode ter por uma coisa, ou pessoa, o mesmo existe em quatro categorias, são elas: O amor por alguém, o amor por alguma coisa, o amor próprio e o amor familiar.

O amor familiar é aquele que você não precisa lutar, é apenas um afeto que nasce dentro de você e se adapta conforme o tempo passa. Na verdade, pode ser mais plausível falar afeto por respeito, e não amor familiar. Você pode não gostar da personalidade de um familiar, mas você o ama, por respeito a ser de sua família, sua casa.

Acredito que não seja preciso dizer que amor por coisas é sobre as coisas que você mais gosta de fazer, sejam estudos, jogos, bebidas, e outros tipos de cargos ou diversões. Sem mais.

Amor próprio é o único que pouco nos preocupamos e é o que mais precisamos, é tudo aquilo que consiste em você, sua personalidade, seu medo, sua vida em geral. Amor próprio é extremamente necessário para qualquer pessoa, pois sem isso, nos tornamos falsos com nossos sentimentos, já que não sabemos ao certo qual significado dessa palavra.

E por ultimo, o amor por alguém, que para mim, é o extremo de sentimento que se pode ter. É acreditar que você está em equilíbrio à outra pessoa, e que ela realmente vale a pena entrar na sua vida.

Amor é feito para aprender e ensinar sobre experiências de vida, e com isso, conseguir fazer o máximo de lembranças para sua vida, sejam elas boas ou ruins.

Eu me sinto seco ao falar que considero a vida como um jogo, pois existe ganhas e perdas, mas não existem vencedores ou perdedores, apenas jogadores bons ou ruins. Enfim, qualquer coisa que acontece na vida é um jogo, você tem que saber jogar para todas as coisas, sendo inconscientemente ou não. Depois que descobri isso, comecei a ter amor próprio.

Eu já amei uma vez em minha vida. Não serei ignorante e falso ao dizer que só disse “eu te amo” a uma pessoa, mas com esse meu conceito de extremo de sentimento, posso dizer que apenas uma pessoa chegou a esse nível, e de fato, ainda a amo, não por ser ela, mas sim por mim. Agora você pergunta: Por quê? Porque eu abri espaço pela primeira vez para chegar ao extremo do sentimento com uma pessoa, eu projetei isso. Não foi simplesmente os olhares ou o bom sexo e compreensão, mas foi apenas para saber se meus conceitos sobre amor estavam certos.

Enfim, foram apenas lembranças e experiências, e eu não me arrependo.

4 comentários:

  1. Seguindo seu Blog!

    Segue o meu:

    http://bloghugogreen.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. "Seguindo seu Blog!

    Segue o meu:"

    Esse com certeza não é uma pessoa que tem amor no coração.
    Essa amor familiar é um conjunto e "amor e ódio" muito bonito...

    ResponderExcluir
  3. Que graça tem a vida sem amor sem emoção?Como diz o poeta!!Se chorei ou se sorri o importante é q emoções eu vivi!!Parabéns pelo blog!!

    ResponderExcluir
  4. adorei o texto,iai concordo com o renan esse hugo so pensa nele......kkkkkkk

    ResponderExcluir